Korin recebe alunos da Newcastle University

Postado em 8 de agosto de 2018

 

A Korin faz parte de um programa de intercâmbio entre diversas universidades internacionais, como a Newcastle University, no Reino Unido, cujo objetivo é compartilhar experiências em geração de cadeia de valor sustentável e os desafios do mercado de orgânicos no Brasil.

Seguindo este conceito, no dia 18 de julho, o diretor superintendente da Korin, Reginaldo Morikawa, realizou um encontro com 20 alunos da Newcastle University e Austral Education Group, onde abordou o mercado de orgânicos no Brasil e as soluções tecnológicas praticadas pela Korin desde 1994.

Os alunos assistiram a 1 hora de palestra. A segunda parte do encontro, que também teve a duração de 1 hora, foi dedicada às perguntas dos estudantes, que se mostraram bastante interessados pelo tema e pelo trabalho desenvolvido pela Korin, o que rendeu um ótimo debate.

Em 2018, dois encontros com turmas de estudantes do exterior já foram realizados.  Em 29 de março, o diretor da Korin Agricultura e Meio Ambiente, Luiz Carlos Demattê Filho, palestrou para 45 alunos da UCLA que estiveram no Brasil para realizar uma imersão nas principais indústrias do País, com o objetivo de compreender a cultura econômica e os modelos de negócios brasileiros. A iniciativa fez parte do programa “Risks and Rewards in Emerging Markets: Lessons from Brazil”.

Abaixo, impressões de alguns alunos da Newcastle sobre a visita à Korin

“Aprendi sobre a cultura do mercado de alimentos orgânicos e me senti bastante impactada com as informações sobre a ação do uso de antibióticos na produção animal e seus efeitos sobre a nossa saúde. Também me surpreendeu a forma como esta organização vem tentando mudar esta realidade, trazendo alimentos mais saudáveis às pessoas” (Onseff, pós-graduanda da Newcastle University).

“Primeiramente, é muito positiva a forma como a Korin administra os seus negócios. Acredito que este seja um exemplo positivo para todos nós. A Korin é uma grande inspiração para as empresas na forma como agrega valor ao seu negócio. Este modelo, aliás, se mostra bastante inovador, não somente no Brasil, mas no mundo como um todo. Acredito que a comida orgânica pode ajudar a melhorar a saúde de muitas pessoas no mundo. É necessário, ainda, trabalhar a questão do preço, porém há muitas oportunidades para o crescimento deste mercado” (Razel, pós-graduando da Newcastle University).

“Esta foi uma experiência única. O conceito da agricultura orgânica possui muito valor agregado e se alinha aos meus valores também. A ideia deste negócio poderia ajudar a sanar o problema da nutrição no Brasil e no mundo, ao ensinar as pessoas a comer em menores quantidades e melhor, com alimentos mais nutritivos e saudáveis. Sou grata pela oportunidade e por todos os conhecimentos que vou levar daqui hoje. A Korin possui um modelo de negócio surpreendente e que tem muitas barreiras a serem superadas, em especial relacionadas a políticas sociais e os governos. Entretanto, mesmo com esses entraves, a ideia da Agricultura Natural se mostra totalmente possível porque os produtos orgânicos são infinitamente melhores para nós, seres humanos. Basta educar e informar a sociedade para que possamos comer melhor e viver melhor”. (Amélia Lemos, venezuelana e pós-graduanda da Newcastle University.