Promotores de crescimento na produção de frangos

Postado em 7 de Março de 2017

Costumamos divulgar que o frango Korin é “livre de antibióticos terapêuticos e como promotores de crescimento”. Com isso, queremos comunicar que existem duas formas de serem ministrados antibióticos em frangos. Gostaríamos de destacar que, neste texto, em momento algum estamos falando sobre hormônios, já que o uso destes na criação avícola é proibido por lei no Brasil.

DSCN0143
A primeira forma de se ministrar antibióticos, mais simples de entender, é a forma terapêutica. Os frangos que ficam doentes recebem antibióticos como terapia contra a doença, para matar as bactérias que a causam. Da mesma forma como nós humanos também fazemos quando ficamos doentes, com prazo e dose determinados. A Korin não se utiliza desta prática porque investe na saúde do animal, com probióticos e prebióticos, e sanidade do ambiente onde vivem e da ração que comem.
A segunda forma de utilização dos antibióticos, e a mais problemática, é a forma como promotor de crescimento.
Promotor de crescimento é uma expressão que se refere à utilização de antibióticos na criação de animais a fim de que eles aproveitem muito melhor tudo o que comem e cresçam mais rápido, para que possam ser abatidos em menor tempo. Contudo, a constante exposição dos animais a esses produtos pode levar à seleção de uma biota (fauna e flora intestinal) resistente aos antibióticos, tal como já relatado em literatura científica. Nesta modalidade, o antibiótico é ministrado em pequenas doses e constantemente por praticamente toda a vida do animal. Dar pequenas doses de antibióticos rotineiramente aos animais é a forma perfeita de cultivar bactérias resistentes, as superbactérias, que muitas vezes não podem ser controladas mesmo com múltiplas drogas. Certas bactérias, uma vez presentes num hospital, podem facilmente se espalhar pela comunidade. Os promotores de crescimento são empregados especialmente na avicultura.

chicken-made-of-drugs-300x230Esta forma é considerada a mais problemática porque foi observado pelo meio científico, nas últimas décadas, um aumento da resistência das bactérias aos antibióticos e sugere-se que uma das causas seja o uso dessas substâncias como promotores de crescimento na produção animal. Nesse contexto, a União Europeia proibiu o uso de antibióticos como promotores de crescimento nos animais destinados ao consumo humano. Segundo a agência Reuters, numa pesquisa feita em 2013 nos Estados Unidos pela ONG Consumer Reports (a maior organização mundial independente dedicada a testar produtos), metade dos peitos de frango crus examinados em uma amostra nacional continham uma “superbactéria” resistente a antibióticos. A entidade disse ter feito exames para seis tipos de bactérias em 316 peças de peito de frango cru, comprados no varejo em vários lugares dos EUA durante julho. Quase todas as amostras continham bactérias potencialmente nocivas. Em 49,7 por cento da amostra havia uma bactéria resistente a três ou mais antibióticos, segundo a ONG. Em 11 por cento havia dois tipos de bactérias resistentes a múltiplos antibióticos. A resistência era mais comum para os antibióticos usados para estimular o crescimento e tratar doenças das aves.

DSCN0146
Avaliando todos estes riscos para a saúde pública a Korin investe numa produção alternativa em que é levado em consideração, o bem-estar do animal, o que por si só já diminui o número de animais doentes e debilitados, o que, consequentemente, diminui a morte dos frangos. Não empregamos proteínas de origem animal, muito menos de origem avícola, na alimentação de nossas aves. Nossas aves recebem probióticos e prebióticos o que fortalece as defesas da criação. Nosso sistema de criação Livre de Antibióticos é certificado pela WQS Certificações de Produtos, de acordo com as Normas para Produção, Abate e Controle Laboratorial de Frango Certificado Alternativo, emitidas pela Associação da Avicultura Alternativa – AVAL.
Na Korin, investimos na saúde dos animais, para que possamos oferecer aos nossos consumidores produtos de verdadeira saúde. Além disso, transferimos para nossos parceiros, produtores e fornecedores de matéria-prima, os princípios e conceitos da produção sustentável, orgânica e da Agricultura Natural de Mokiti Okada, do qual seguimos a filosofia, e assim, contribuímos para o fortalecimento de uma cadeia produtiva com base na agroecologia.