Falando com a nutri Roberta Lara: “Uma fonte vegetal do ÔMEGA-3-ALA para enriquecer a alimentação”

 

A escolha de alimentos naturais no dia a dia vem crescendo na rotina das pessoas que visam cuidados com a saúde e com o bem-estar. A adoção de hábitos alimentares plant based e o movimento do flexitarianismo são grandes tendências no comportamento do consumidor atualmente. Nesse sentido, houve um aumento no consumo de grãos integrais e de sementes em diferentes formas de uso no cardápio do dia a dia, como a semente de chia.

 

A semente de chia como “coringa” na alimentação

Versátil e com um perfil nutricional equilibrado, a semente de chia é um ingrediente que não pode faltar na despensa das pessoas que se preocupam em comer melhor. Ela pode ser usada no preparo de receitas e até mesmo na sua forma in natura.

Em relação à composição nutricional da chia, podemos destacar:

  • 34 gramas de fibras alimentares, das quais a fração insolúvel representa aproximadamente 85-93% excedendo o valor encontrado em frutas secas, cereais ou nozes, se comparado.
  • Altos teores de ácidos graxos poli-insaturados, principalmente ácido α-linolênico (ALA), que representa aproximadamente 60% de todos os ácidos graxos, maior que na linhaça.
  • Boa fonte de proteína vegetal, que representa 18 a 24% de sua massa e a presença de 10 aminoácidos exógenos, dentre os quais os maiores teores foram de arginina, leucina, fenilalanina, valina e lisina.
  • Grandes proporções de minerais, incluindo fósforo, cálcio, potássio e magnésio, além de vitaminas do complexo B.
  • Rica em polifenóis: ácidos gálico, cafeico, clorogênico, cinâmico e ferúlico, quercetina, kaempferol, epicatequina, rutina, apigenina e ácido p-cumárico. As isoflavonas, como daidzeína, gliciteína, genisteína e genistina.


Benefícios integrados do consumo de semente de chia

Devido ao seu perfil nutricional citado anteriormente, a semente de chia, quando consumida de diferentes formas na rotina alimentar, pode atribuir efeitos positivos na saúde em geral.

 

Modulação intestinal

 

 

 

 

 

 

O alto teor de fibras insolúveis na semente de chia garante um efeito modulador na microbiota intestinal, regularizando a composição das bactérias e ajustando os metabólitos produzidos por elas. Além disso, o teor de fibras ajuda na modulação da saciedade e controle da ingestão alimentar.

 

Saúde cardiovascular

Os ácidos graxos ômega-3 presentes na semente de chia são capazes de melhorar a função cardiovascular, auxiliando no tônus ​​parassimpático, na variabilidade da frequência cardíaca e na pressão arterial. O consumo de ALA também está associado ao controle do perfil lipídico, sobretudo, de colesterol.

 

Potencial antioxidante