Korin lança Frango Caipira livre de transgênicos

Postado em 11 de outubro de 2019

Alimentação das aves é 100% vegetal

 

A Korin, conhecida no mercado por produzir e comercializar linhas orgânicas e sustentáveis de origem animal e vegetal, acaba de anunciar o lançamento do Frango Caipira, que também é conhecido como frango colonial, totalmente livre de transgênicos.

As aves dessa linhagem são da raça francesa Sasso, popularmente conhecida como ‘pescoço pelado’, de crescimento lento. Elas são criadas no método de produção Korin, praticado por famílias integradas à empresa, com cuidados que vão além das normas exigidas pela ABNT – Associação Brasileira de Normas Técnicas. Elas crescem em sistema com acesso a áreas externas para pastejo, exercícios e manifestação de comportamentos inerentes à espécie. Além disso, a alimentação é constituída por ração com ingredientes exclusivamente de origem vegetal e não se faz uso de antibióticos nem mesmo para fins terapêuticos, uma vez que antibióticos como melhoradores de desempenho já são proibidos pela norma ABNT. Quimioterápicos e anticoccidianos também não são utilizados na Korin, tudo isso certificado pela WQS (World Quality Services), do Grupo QIMA, presente com inspeções in loco em 85 países. De acordo com o diretor superintendente da Korin, Reginaldo Morikawa, “a meta é a de tirar o frango alimentado com transgênico do portfólio da empresa até o final do ano e aumentar a quantidade dos produtos livres de transgênicos”.

A produção também é certificada com bem-estar animal pela Certified Humane Brasil (HFAC), principal organização internacional voltada para a melhoria da vida das criações animais na produção de alimentos, do nascimento até o abate.

Os Frangos Caipiras Korin são criados em galpões (barracões), com densidade de no máximo 30 kg/m², que corresponde a aproximadamente 11 aves por m². A norma da ABNT permite 35 kg/m², que corresponde a 14 aves por m² e têm acesso a uma área de pastejo, onde podem expressar seus comportamentos naturais. O frango caipira “pescoço pelado” com 70 dias ainda não é uma ave adulta apta a reprodução, por isso não é comercializado como galinha. Esse sistema de produção artesanal, de crescimento mais lento, tem como resultado uma ave madura, de carne com textura firme e saborosa e que concentra todos os nutrientes do campo.

A carne do frango caipira possui sabor característico e textura firme, lembrando a saborosa ave tradicional que se encontrava no passado. “O sabor nos remete, dentro do imaginário popular, às lembranças dos grandes almoços de domingo, que reuniam inúmeras famílias em volta da mesa para saborear esta iguaria preparada, com muito carinho, por nossos avós”, enfatiza Morikawa.

A produção artesanal e familiar utiliza extrato de plantas, óleos essenciais, probióticos e prebióticos para a manutenção da saúde das aves, dispensando em todos os estágios uso de medicamentos não naturais.