Como os orgânicos ajudam a preservar o solo e a água?

em 24 de abr de 2024

Entenda como você pode colaborar para a preservação dos recursos naturais por meio da alimentação orgânica.

 

Caroline Franco

Muito além de fornecer o alimento, o solo é um dos principais reservatórios de água doce do planeta. Por isso, não é exagero dizer que cuidar da terra significa colaborar para a preservação da vida.

Sabia que a comida que chega ao seu prato pode ser determinante para a conservação ou degradação de tais recursos naturais?

No artigo a seguir, você vai conhecer os benefícios do cultivo orgânico para a preservação do solo e da água. Também vai entender os riscos oferecidos pela agricultura convencional.

 

Agricultura convencional x preservação do solo e da água

A agricultura convencional é fruto da chamada Revolução Verde, fenômeno que teve início entre as décadas de 1960 e 1970, cujo objetivo era intensificar a produtividade das culturas, utilizando para isso algumas inovações tecnológicas. Antes disso, o uso de agrotóxicos já chamava a atenção, como alertou o filósofo Mokiti Okada, criador da Agricultura Natural, ainda na década de 1930, em relação aos malefícios do uso dessas substâncias na agricultura para a saúde do solo, das plantas, dos animais e dos seres humanos.

Embora tenha permitido o aumento da produção de alimentos, este movimento trouxe diversas consequências negativas. Uma delas é o emprego massivo de agrotóxicos e fertilizantes sintéticos.

Entre os impactos gerados por essas substâncias químicas estão:

  •  A degradação da qualidade do solo, em virtude da eliminação de organismos que contribuem para o desenvolvimento das plantas;
  •  A poluição do lençol freático, da atmosfera e de todo o ecossistema por componentes como dioxinas e metais pesados;
  • O aumento da resistência de alguns insetos apontados como pragas para as plantações;

Outra consequência negativa deste processo de transformação da agricultura é o intenso desmatamento das florestas nativas para expansão das áreas produtivas. A perda da cobertura vegetal leva à redução da capacidade de absorção de água pelo solo, favorecendo as inundações e cheias, a diminuição do teor de umidade da terra e da atmosfera, bem como afetando a disponibilidade de águas subterrâneas. A superfície se torna mais suscetível aos processos erosivos, e os rios ficam sujeitos ao assoreamento, em virtude da remoção das matas ciliares.

Além disso, as queimadas, um recurso frequentemente utilizado após os desmatamentos para eliminar o que restou da vegetação, destroem a matéria orgânica da cobertura superficial do solo e os microrganismos benéficos que nela atuam.

 

Agricultura orgânica em favor preservação do solo e da água

O cultivo orgânico respeita o ritmo natural da terra e previne o esgotamento de seus recursos, sem utilizá-la à exaustão. Assim, não emprega compostos químicos, como fertilizantes sintéticos e agrotóxicos para lidar com problemas de fertilidade e qualidade.

Para evitar infestações e problemas decorrentes, as plantações orgânicas recorrem a técnicas diversas como o controle biológico, que promove o equilíbrio de pragas agrícolas e insetos transmissores de doenças a partir do emprego de seus inimigos naturais. Isso significa manter ativa a microbiota do solo.

A rotação de culturas também é outra prática comum utilizada no plantio orgânico. Por meio da alternância de cultivo de espécies, é possível explorar a terra de maneira uniforme e prevenir seu esgotamento, reduzindo significativamente os impactos negativos causados pela monocultura, um sistema de exploração comum na agricultura convencional. Assim, ao evitar a degradação física, química e biológica, essa técnica favorece um solo saudável e produtivo.

Isso significa menor incidência de pragas, mais retenção de umidade pela terra, menos erosão e uma boa manutenção do armazenamento de água doce.

 

Agricultura Natural: equilíbrio e preservação dos recursos naturais

Além dos orgânicos, você pode contar com os alimentos produzidos de acordo com a Agricultura natural como aliados para a preservação dos recursos naturais.

Este método, que privilegia o perfeito equilíbrio entre a saúde humana, a preservação do homem no campo e o uso dos recursos, foi idealizado por Mokiti Okada (Japão,1882-1955) como alternativa para os problemas decorrentes da prática da agricultura convencional, na década de 1930, especialmente com relação ao uso excessivo de agroquímicos.

É responsável por promover a associação entre os valores ecológicos e sociais para resgatar a pureza do solo e dos alimentos, manter a diversidade e o equilíbrio biológico, além de contribuir para melhorar a qualidade de vida dos seres humanos.

Foi a partir desta filosofia que nasceu a Korin, em 1994, empresa que é referência em alimentos orgânicos e sustentáveis, produzidos de acordo com os preceitos da Agricultura Natural.

Agora que já compreendeu como os alimentos orgânicos podem contribuir para a preservação dos recursos naturais, conheça os produtos Korin, que vão ajudar você a ter um dia a dia com mais saúde e sustentabilidade.

Experimente também: