Por Dra. Roberta Lara

Uma versão mais nutritiva do ingrediente que faz parte do cardápio tradicional dos brasileiros.

 

A transição nutricional de informações populares dos últimos anos levou a uma redução do consumo de arroz por parte da população brasileira. Contudo, esse cereal tem grande importância para a saúde, principalmente sua versão integral que traz a estrutura completa do grão e, consequentemente, alto valor nutricional.

Este cereal constitui-se uma fonte importante de energia, devido ao alto teor de amido, fornecendo também proteínas, lipídios, vitaminas e minerais. Em sua forma integral, ainda é possível encontrar uma alta densidade de fitoativos, como flavonoides apigenina, quercetina e luteolina.

Arroz integral e sua composição

O arroz integral é o grão integral não refinado que contém nutrientes na camada de farelo que está localizada entre o miolo branco e o farelo externo. A remoção da camada de farelo resulta na perda de potenciais benefícios, por isso, é uma das opções mais nutritivas para consumo diário. O processo de moagem do grão integral leva a uma maior quantidade de fibra alimentar, magnésio, vitamina B, ácido γ-aminobutírico (GABA), γ-orizanol (γ-ORZ), fitoestrógenos, lignina e ácido graxo essencial.

Todos esses nutrientes citados são potencialmente protetores contra fatores de risco metabólicos em adultos com obesidade, segundo um estudo de Kazemzadeh et al. (2014).

 

O consumo de arroz integral pode ajudar em parâmetros cardiometabólicos?

Um estudo científico conduzido por Kazemzadeh et al. (2014) avaliou os efeitos do consumo de arroz integral em parâmetros metabólicos relacionados à glicose plasmática e o metabolismo energético. O GABA presente no grão, conhecido como um neurotransmissor importante na regulação metabólica. Ele tem a capacidade de regular a pressão arterial e aumentar a secreção de insulina. Além disso, o γ-orizanol é um potente antioxidante que tem efeitos anti-hipercolesterolêmicos e a vitamina E pode auxiliar na progressão de complicações cardiovasculares.

Esses autores realizaram um ensaio clínico randomizado cruzado com 40 mulheres com sobrepeso ou obesidade que foram alocadas aleatoriamente para o grupo 1 com tratamento consumindo arroz integral e grupo 2, com arroz branco, durante 6 semanas. Após um período de washout de 2 semanas, os indivíduos trocaram a dieta alternativa por mais 6 semanas. Cada um foi orientado a consumir diariamente 150 g do arroz específico em cada período de intervenção. Avaliaram os fatores de risco cardiovascular, incluindo IMC, circunferência da cintura e quadril, pressão arterial, perfis lipídicos séricos, glicemia de jejum e hs-CRP como marcador inflamatório.

Os resultados do estudo mostraram que a dieta de arroz integral em comparação com a intervenção que os participantes consumiram a versão de arroz branco, pode reduzir significativamente o peso, circunferência da cintura e quadril, IMC e marcadores inflamatórios (hs-CRP). Assim, destaca-se que a escolha desse tipo de alimento no dia a dia é eficaz para auxiliar na saúde cardiovascular e no equilíbrio do metabolismo, sempre associada a um estilo de vida saudável.

 

Arroz orgânico: é a melhor opção?

Os alimentos cultivados sem a adição de agrotóxicos e elementos químicos na sua produção são mais nutritivos e equilibrados para consumo na rotina, especialmente quando se fala de um item consumido diariamente no cardápio.

Arroz Cateto Orgânico integral Korin

 Por ser um alimento base da alimentação dos brasileiros, o arroz deve ser escolhido com critérios importantes. O mais indicado é que o arroz que preparado diariamente para a sua família seja cultivado sem uso de agrotóxicos e adubos químicos, com técnicas agrícolas que garantam a conservação do meio ambiente, preservem a biodiversidade e valorizem a cultura dos agricultores, promovendo mais saúde e maior qualidade de vida para o agricultor e para o consumidor.

O arroz orgânico Korin tem a responsabilidade na preservação do meio ambiente, na responsabilidade social e no respeito ao agricultor. Os 3 tipos encontrados para variar seu consumo: Arroz Agulhinha Polido, Arroz Agulhinha Integral, Arroz Cateto Integral.

 Os produtos possuem certificação Internacional I.M.O Control recebendo o Selo SisOrg (Sistema Brasileiro de Avaliação da Conformidade Orgânica), que garante o seguimento das normas de produção orgânica).

REFERÊNCIAS

Kazemzadeh, M., Safavi, SM, Nematollahi, S., & Nourieh, Z. (2014). Efeito do consumo de arroz integral no marcador inflamatório e fatores de risco cardiovascular entre mulheres adultas com sobrepeso e obesas não menopáusicas. Revista Internacional de Medicina Preventiva, 5 (4), 478–488.

Pletsch EA, Hamaker BR. Brown rice compared to white rice slows gastric emptying in humans. Eur J Clin Nutr. 2018 Mar;72(3):367-373.

Sun Q, Spiegelman D, van Dam RM, Holmes MD, Malik VS, Willett WC, Hu FB. White rice, brown rice, and risk of type 2 diabetes in US men and women. Arch Intern Med. 2010 Jun 14;170(11):961-9.

Sun, Q., Spiegelman, D., van Dam, RM, Holmes, MD, Malik, VS, Willett, WC, & Hu, FB (2010). Arroz branco, arroz integral e risco de diabetes tipo 2 em homens e mulheres dos EUA. Arquivos de medicina interna , 170 (11), 961-969.

[/fusion_text][/fusion_builder_column][/fusion_builder_row][/fusion_builder_container]