Professora Dra. Roberta Lara

Veja como o mel é considerado um alimento terapêutico na promoção de diferentes benefícios para o corpo

O mel é a substância natural produzida pelas abelhas, com sabor adocicado, feito a partir do néctar das flores ou da secreção de partes naturais de plantas, onde as abelhas coletam, transformam e combinam com substâncias próprias específicas para formação do componente.

O Brasil, por conta do seu clima tropical e a área territorial com vegetação diversificada, apresenta condições positivas para se tornar um dos líderes mundiais de produção de mel. Contudo, é preciso reforçar a importância desse alimento e das suas propriedades nutricionais, a fim de aumentar o consumo per capita pela população brasileira, que ainda é relativamente baixo, quando comparado aos países europeus.

A história do mel

Evidências de pinturas da Idade da Pedra mostram o tratamento de doenças com produtos apícolas, como o mel, em um período de 8.000 anos. Apesar de diversos trabalhos publicados sobre o mel, a maioria deles se concentrou na análise bioquímica e na sua utilização comercial de alimentos. O mel era e ainda pode ser usado para ajudar no tratamento de uma variedade de doenças, incluindo doenças oculares, asma, infecções de garganta, tuberculose, constipação e como agente antimicrobiano.

Componentes nutricionais e não nutricionais do mel

Atualmente, são encontrados em torno de 300 tipos de mel na natureza. Essas variedades estão relacionadas aos diferentes tipos de néctar que são coletados pelas abelhas. Em relação à composição principal do alimento, são encontrados carboidratos que contribuem com 95-97% do seu peso seco. Já quanto ao perfil fitoquímico do produto, destaca-se flavonóides, polifenóis, compostos redutores, alcalóides, glicosídeos, glicosídeos cardíacos, antraquinona e compostos voláteis.

Devido à sua alta densidade de nutrientes, o mel fornece vários efeitos medicinais, portanto, é considerado como um suplemento alimentar natural. Estudos na literatura científica mostraram o seu potencial como agente antioxidante terapêutico para doenças biodiversas. Os efeitos postulados do seu consumo incluem ações cicatrizantes, antibacterianas, anti-inflamatórias, antifúngicas, antivirais e antidiabéticas. Ainda, é possível destacar seus efeitos imunomoduladores, reguladores estrogênicos, antimutagênicos e anticancerígenos.

Os dados dos estudos mostram que o mel, usado como terapia convencional ou na alimentação do dia a dia, pode ser um novo antioxidante para diminuir doenças direta ou indiretamente associadas ao estresse oxidativo, como as neurodegenerativas. Em uma revisão (Ahmed et al., 2018), esses efeitos saudáveis ​​foram revisados ​​para destacar o modo de ação do mel. A pesquisa baseada em evidências sugeriu que os compostos ativos presentes no alimento atuam em diversos caminhos bioquimicos, como modulação de vias associadas aos marcadores TNF-α, IL-1β , IFN – γ , IFNGR1 e p53, inibição da proliferação celular e parada do ciclo celular, inibição da oxidação de lipoproteínas,  modulação de outros alvos. A pesquisa mostrou que o mel administrado isoladamente ou como terapia adjuvante pode ser um potencial agente medicinal antioxidante natural em condições clinicas relacionadas à inflamação e estresse oxidativo.

Mel Orgânico Korin

Mel orgânico Korin 1Kg, em nova embalagem!

O Mel Orgânico da linha apícola da Korin, encontrado nas versões de 300gramas e 1 kilo, é classificado como silvestre, por ser produzido em regiões de florada diversificada. Além disso, é um produto natural por não sofrer nenhum processo de pasteurização, nem receber qualquer aditivo químico. É realizada somente a filtração do mel puro para a retirada de partículas normais do processo de centrifugação das melgueiras e a homogeneização para equili8brar a coloração do produto. Ele é livre de agrotóxicos e componentes agrícolas, sendo ainda mais saudável para consumo.

 

Como usar mel no dia a dia?

A versatilidade do mel permite o uso em receitas doces e salgadas, desde sobremesas, molhos, entradas, até shots matinais combinados com outros ingredientes funcionais.

REFERÊNCIAS

Ahmed, S., Sulaiman, SA, Baig, AA, Ibrahim, M., Liaqat, S., Fatima, S., Jabeen, S., Shamim, N., & Othman, NH (2018). Mel como um potencial medicamento antioxidante natural: uma visão sobre seus mecanismos moleculares de ação. Medicina oxidativa e longevidade celular, 2018 , 8367846.

Samarghandian, Saeed et al. Mel e Saúde: Uma Revisão de Pesquisas Clínicas Recentes. Pesquisa em Farmacognosia vol. 9,2 (2017): 121-127.

Polak-Śliwińska, Magdalena, and Małgorzata Tańska. “Conventional and Organic Honeys as a Source of Water- and Ethanol-Soluble Molecules with Nutritional and Antioxidant Characteristics.” Molecules (Basel, Switzerland) vol. 26,12 3746. 19 Jun. 2021.