Frango recebe hormônio: verdade ou mito?

em 28 de jun de 2023

Se você já se perguntou se os frangos recebem hormônio para crescer rápido, confira este artigo.

Criação convencional de frangos

Criação convencional de frangos

Frangos com crescimento acelerado. Você já deve ter ouvido por aí que a criação desses animais se utiliza de hormônios para conseguir resultados rápidos.

Mas trata-se de um mito, pois além do uso desse tipo de substância ser proibido para tal fim segundo a legislação brasileira (Decreto nº 76986, de 06 de janeiro de 1976), sua aplicação também seria inviável. Afinal, os hormônios de crescimento deveriam ser injetados diariamente nas aves, o que prejudicaria a performance da produção.

Se você ainda está se perguntando como os frangos de criação convencional crescem tão rápido, há alguns fatores que podem ajudar a explicar.

Diversos avanços em pesquisas influenciaram a nutrição, as técnicas de manejo e a genética ao longo dos últimos anos. Por outro lado, uma prática comum para melhoria de desempenho tem chamado a atenção nesse sentido.

A criação convencional de frango de corte se utiliza de aditivos permitidos por lei que, embora apresentem eficácia comprovada sobre a produtividade e a saúde animal, promovem uma série de consequências negativas a longo prazo. Conheça os principais e entenda seus efeitos.

 

O que são anticoccidianos e antibióticos

A criação de frangos é diretamente impactada por doenças como a coccidiose, que gera perdas econômicas significativas para a indústria.

Causada por protozoários que se instalam no trato gastrointestinal, prejudicando a absorção dos nutrientes e provocando lesões na mucosa animal, essa doença também favorece o surgimento de outras patologias e é altamente contagiosa entre as aves, disseminando-se por meio de fezes infectadas.

Para combatê-la, a avicultura convencional adiciona à alimentação dos frangos os chamados anticoccidianos, medicamentos para eliminar ou inibir tais parasitas.

Outros aditivos utilizados no manejo tradicional são os antimicrobianos. Entre eles estão os antibióticos, responsáveis por impedir o desenvolvimento de determinados microrganismos.

 

Antibióticos e anticoccidianos: uso indiscriminado

Não é de hoje que, em busca de alta produtividade, a indústria convencional tem empregado antibióticos e anticoccidianos, não apenas como medida para a prevenção de doenças, mas sobretudo para ampliar as taxas de crescimento e sobrevivência dos frangos.

Entre as principais consequências do uso indiscriminado dessas substâncias estão:

  • Alterações na saúde da microbiota e na fisiologia das aves;
  • Redução do efeito dos fármacos utilizados contra parasitas e microrganismos. A resistência às bactérias também pode ser transmitida para os seres humanos. Isso porque algumas delas podem sobreviver aos tratamentos, contaminando alimentos durante o processo de manipulação ou sendo ingeridas por meio da carne malcozida.

Além disso, discute-se sobre os impactos dos efeitos dos resíduos desses medicamentos no organismo humano.

 

Agricultura orgânica e agricultura natural: alternativas na criação de frangos

Frango Livre de Transgênicos - Criação

A Agricultura Natural, método idealizado por Mokiti Okada (Japão,1882-1955), privilegia o perfeito equilíbrio entre a saúde humana, o bem-estar animal, a preservação do homem no campo e o uso dos recursos naturais.

A partir desta filosofia nasceu a Korin, em 1994, empresa que é pioneira no Brasil na produção de frangos e ovos sem uso de antibióticos, anticoccidianos e demais medicamentos geralmente utilizados no manejo convencional.

Seguindo os preceitos da agricultura natural, a companhia não emprega componentes químicos na criação dos animais, em nenhuma fase de suas vidas. Como resultado obtém alimentos saudáveis e ricos em energia vital.

O tratamento veterinário é restrito a fitoterápicos e à homeopatia. Para combater a coccidiose nos frangos, a Korin aplica vacina em todos os filhotes. Dessa forma, não induz a resistência do protozoário, o que gera o controle natural da doença. A cepa vacinal também permanece presente nas instalações por longos períodos para garantir a imunização e proteção geral.

Os frangos orgânicos são criados em galpões (barracões), em densidade de no máximo 10 kg/m², e com acesso a água 24h/dia e a piquetes, onde podem expressar seu comportamento natural, como ciscar, viver em comunidade, correr, tomar sol, abrir as asas para se refrescar e empoleirar.

A alimentação, ração de alta qualidade produzida a partir de grãos orgânicos certificados, sem uso de transgênicos ou ingredientes de origem animal, é equilibrada e repleta de nutrientes.

As aves contam ainda com um período de no mínimo de 8 horas no escuro, o que em conjunto com as demais medidas colabora para a redução do stress.

Assim, ao diminuir o contato com agentes estressores e promover a saúde, garante-se não apenas o bem-estar das aves, como também dispensa-se o uso de antibióticos e anticoccidianos.

Diferenciais Frangos Boa Pedida Korin

Diferenciais Frangos Boa Pedida Korin

Certificações

NAAU Para auxiliar você na escolha de produtos isentos de qualquer substância que interfira de forma intencional e abrupta na fisiologia do animal, inclusive as permitidas por lei, a Korin, com apoio da AVAL (Associação Brasileira da Avicultura Alternativa) e do CPMO (Centro de Pesquisa Mokiti Okada), criou o selo NAAU, cuja sigla significa ‘Nenhum Antibiótico e Nenhum Anticoccidiano Utilizado’;

 

Agricultura natural Mokiti Okada Este selo assegura a produção segundo os preceitos da Agricultura Natural de Mokiti Okada;

 

Certificação HUMANE BRASILgarante que a criação animal cumpre um protocolo rígido de bem-estar, incluindo nutrição equilibrada, abrigos, áreas de repouso e espaço adequado para manifestação dos comportamentos naturais da espécie.

 

 A Korin conta com uma linha de produtos orgânicos e sustentáveis. Conheça aqui. 

Experimente também: