Falando com a Nutri Roberta Lara: “O aporte proteico é essencial para homeostase do organismo”.

O consumo de proteína na rotina alimentar é fundamental para a manutenção da saúde durante o crescimento e envelhecimento. Classificada como um macronutriente, a atual Ingestão Dietética Recomendada (RDA) para proteínas é definida como a quantidade mínima necessária para prevenir e evitar a perda de massa corporal magra, variando de acordo com o peso corporal e a faixa etária. A estimativa média, que chamamos de EAR, indica o consumo de 0,66 g por kg de massa corporal por dia (g/kg/d) como a quantidade mínima de proteína esperada para atender às necessidades individuais de aminoácidos indispensáveis ​​de 50% da população adulta.  Já a RDA, no entanto, demonstra um valor de 0,8 g/kg/d, que reflete a quantidade mínima de proteína necessária para atender aos requisitos de aminoácidos indispensáveis, estabelecer o equilíbrio de nitrogênio e prevenir a perda de massa muscular.

O papel da proteína no organismo

Compostas por cadeias de aminoácidos, as proteínas são nutrientes essenciais para a construção de tecidos. Esses aminoácidos podem ser essenciais, aqueles que o corpo não produz e que devem ser obtidos pela alimentação e suplementação, e não essenciais, que tem sua produção pelo organismo.

Por ser um nutriente essencial, a proteína atua em diferentes mecanismos corporais: manutenção e reparação muscular, importante para equilibrar a taxa de síntese proteica do musculo; modulação imunológica, responsável pela formação de anticorpos que atuam na defesa corporal; formação do sistema nervoso, atuando em receptores que auxiliam na transmissão de sinais nervosos dentro das células neurológicas, regulação do fio capilar e da pele, uma vez que a elasticidade e formação do folículo piloso dependem de proteínas, como o colágeno.

Além disso, estudos mostram que o consumo regular de proteínas de qualidade, em quantidades suficientes, pode contribuir com a manutenção do peso e queima de gordura corporal. A proteína pode ajudar a aumentar o poder de saciedade, ajudando no equilíbrio da ingestão alimentar e, consequentemente, favorecer o emagrecimento saudável.

 

Consumo de proteínas por meio das carnes

A carne foi o alimento mais presente na dieta das pessoas em todo o mundo, há muitos anos. Embora a quantidade e a fonte de carne ingerida diferem entre países e culturas, grande parte das refeições principais ocidentais incluem um prato contendo carne junto aos vegetais como complementares.

Com seu poder nutritivo, a carne contém várias vitaminas e minerais, bem como todos os aminoácidos essenciais, tornando-se uma excelente fonte de proteína. Além disso, estudos mostram que os aminoácidos presentes nas carnes em geral, com exceção das processadas e ricas em gorduras saturadas, forma metabólitos derivados e peptídeos que possuem importantes propriedades bioativas. Dentre eles, podemos destacar a taurina, creatina, hidroxiprolina, carnosina e anserina, todas obtidas principalmente da carne, capazes de exercer importantes funções fisiológicas.

Cerca de e 189 gramas de carne pode contribuir com aproximadamente 19, 52, 28 e 38% da quantidade recomendada de ferro, zinco, selênio e fósforo, de acordo com os valores de referência.

Matriz alimentar

Avaliar a matriz nutricional dos alimentos, como a concentração isolada de macro e micronuttientes, é um fator importante, mas as composições da refeição, bem como as interações entre os alimentos, também afetam a bioacessibilidade e a biodisponibilidade. Por exemplo, a carne em si deve ser consumida combinada com outros alimentos essenciais que atuam em sinergia na absorção dos nutrientes, como os cereais, as leguminosas e os vegetais.

Consumo de carne e doenças crônicas: existem evidências conclusivas?

Por conta das limitações na duração dos estudos de intervenção feitos para medir os desfechos de doenças crônicas, a maioria dos trabalhos que avaliam o consumo de carne nos desfechos de saúde, como doenças cardiovasculares, são de modelos observacionais, o que limita os resultados e interpretações científicas.

Espetinhos de carnes temperados Korin

A Korin prioriza a qualidade de suas matérias-primas, oferecendo valor nutricional atrelado à produção sustentável dos seus alimentos. Conheça os lançamentos de espetos temperados de carnes: Iscas de filé de peito, Filé de coxa, Meio da asa e Coração.